Um dos tópicos de finanças mais importantes, pouco entendidos e frequentemente desprezado, é a gestão de caixa. Os empresários e gestores deveriam estar olhando para esse assunto desde o primeiro dia da abertura de seu negócio.

Na verdade, não o fazem porque eles têm outras questões “mais importantes” para se preocuparem. Enquanto mais dinheiro estiver entrando na empresa do que saindo, eles não se preocupam com a questão da gestão de caixa. Isso os deixa vulneráveis a todos os tipos de perigo de fluxo de caixa. 

Sabemos e podemos afirmar que a principal razão da mortalidade precoce das pequenas e médias empresas é a falta de habilidade gerencial de seus administradores.

O primeiro passo é maximizar o fluxo de caixa. Assegurar-se de que os sistemas de faturamento, cobrança e pagamento estejam operando adequadamente. Tenha como objetivo trazer o caixa para dentro da empresa o mais rápido possível. Emita a fatura ao cliente tão logo a mercadoria saia da sua fábrica ou tão logo o serviço seja prestado.

Evite ao máximo que o cliente fique inadimplente, faça acompanhamento das faturas vencidas.

Segure o seu caixa o maior tempo possível administrando as suas saídas. Isso significa negociar maior prazo de pagamento junto aos seus fornecedores e credores sem envolver-se em juros adicionais para pagar suas contas com atraso.

O passo seguinte é ser capaz de avaliar com exatidão sua posição de caixa atual e fazer previsões confiáveis, de tempos em tempos, sobre quanto caixa irá entrar e quanto será necessário para pagar as despesas.

Imagina a situação em que a empresa conseguiu um excedente de caixa e decidiu investir como forma de conseguir um lucro adicional.

E se alguma coisa acontecer de errado?

A empresa pode ter calculado para baixo suas necessidades de caixa ou, então, as vendas não ocorreram conforme planejado e as entradas de caixa serão menores do que o previsto. Ou para piorar a situação, o caixa excedente estava “indisponível” em algum tipo errado de aplicação.

Para evitar surpresas desagradáveis, comece preparando previsões de seu fluxo de caixa. Isso servirá para você saber o quanto de caixa excedente a empresa irá gerar, por quanto tempo e quando você irá precisar desse montante novamente.

Quando a empresa está em fase de crescimento, ela não está em posição de fazer investimentos de grande valor e em longo prazo, porque ela irá necessitar esse caixa para autofinanciar parte de seu desenvolvimento.

Lembre-se: sem caixa não há negócio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *