Talvez você ainda não saiba, mas o boleto sem registro da forma como o conhecemos vai deixar de existir no final de 2016. Se sua empresa trabalha com esta modalidade, é bom estar a par do que está acontecendo e se preparar para a mudança.

Os boletos Registrados tem seu registro junto ao sistema de bancos, desta forma a instituição financeira possui todas as informações sobre a cobrança. Na modalidade sem registro o banco só ficava sabendo da existência de um boleto caso ele fosse pago.

Agora, para cancelamento ou alteração de informações é necessário que seja feito um envio de arquivo de remessa ao banco, contendo as informações sobre a transação.

Os bancos poderão cobrar tarifas sobre as operações, inclusive cumulativamente. Antes, a cobrança era só na liquidação do boleto, sendo a empresa isenta de qualquer taxa caso o pagamento não se concretizasse.

Na modalidade com registro, o banco pode ser o responsável pela emissão e entrega do boleto ao pagador e, embora não sejam títulos de crédito, estes boletos podem ser protestados quando associados a duplicatas mercantis ou de serviço.

Vantagens

Para as empresas e consumidores a segurança é um dos principais fatores favoráveis. Isto porque, na modalidade com registro, emissor e pagador precisam ser identificados. A empresa também consegue gerir melhor a carteira, sabendo quem pagou, o que pagou e quando pagou. As taxas de cartões de crédito devem diminuir, sendo bem mais atrativas para as empresas e representando mais praticidade para o consumidor.

Desvantagens

Uma das desvantagens da medida para as empresas é um custo maior pois, o banco poderá cobrar diversas taxas (emissão, liquidação, permanência e protesto), ao contrário da utilização do boleto sem registro, em que a empresa pagava à instituição financeira somente o custo da liquidação (quando o boleto é pago). Outro ponto desfavorável é a burocracia. Para gerar boletos com registro é necessário colocar CNPJ ou CPF. Então, as empresas automatizadas vão precisar adequar seus sistemas de gestão com essas informações. Atualização de dados dos pagadores também é algo que merece atenção, uma vez que precisam estar corretos nos arquivos de remessa. O arquivo de remessa é o registro dos boletos gerados e que será recebido pelo banco. Então, é fundamental que a empresa se certifique dos padrões exigidos pelos bancos com os quais trabalha.

O importante neste momento é manter atualizado o cadastro de todos os clientes (com CPF, endereço e nome completo).

Em seguida procure sua agência bancária e converse com o seu gerente para solicitar a mudança da carteira e se informar das taxas.

Conclui-se que o investimento trará grandes retornos, pois com a atualização dos dados cadastrais e o controle do pagamento dos boletos será possível, por exemplo, combater a inadimplência com mais eficácia. 

Fonte: Febraban

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *