Quando falamos em empreendedorismo nas organizações, é muito comum que surjam dúvidas sobre as possibilidades de empreender em pequenas e médias empresas.

Muitos dizem que empreendedorismo só pode ser aplicado em grandes empresas ou, ainda, como fazer para implementar nas organizações de pequeno e médio porte. É fato que as empresas menores precisam ter mais cuidados na hora de empreender, haja visto que, empreender significa correr riscos calculados. As pequenas empresas em geral têm uma estrutura mais enxuta e menos recursos financeiros, por isso é preciso pensar sempre bem na melhor estratégia para que diminua os risco na hora de empreender.

Para que o sucesso empresarial realmente aconteça, é muito importante que o proprietário do negócio tenha uma conduta empreendedora, ou seja, tenha a capacidade de identificar as oportunidades e transformá-las em projetos que possam ser executáveis, para os cenários que estejam avaliando, sempre com o menor risco possível.

Assumir riscos faz parte da atividade empreendedora, porém é relevante uma análise técnica e muita perspicácia das possíveis simulações dentro dos cenários administrados. O espírito inovador e o senso crítico são decisivos para o sucesso empresarial.

Hoje em dia, a ideia de você abrir um negócio próprio e administrá-lo pessoalmente vem seduzindo inúmeras pessoas. Afinal quem não quer ter sucesso, não é mesmo? Mas para obter sucesso é preciso aprender a empreender, como sendo a única forma de alterar o jogo, também é preciso começar a pensar nas três esferas: empreendedor, administrador e técnico.

A fase técnica, o gerenciamento segue a vontade do dono, e não as necessidades da empresa. O administrador, é quem monitora e organiza o trabalho, mas sem ele não existe planejamento. E finalmente o empreendedor que é conduzido pela visão, constrói o negócio e considera o mundo como um lugar onde se encontram muitas oportunidades.

Sabemos que precisamos de pessoas para gerar negócios, fazer acontecer!

Os empreendedores sobrevivem e crescem pela capacidade de enxergar as necessidades de mudanças no tempo exato. Implementá-las o mais rápido possível, fazer a empresa funcionar de maneira participativa e ter uma cultura empresarial própria e compatível com o que estiver estabelecido no processo gerencial.

Quando o empreendedor essencialmente operacional assume a liderança, a estratégia e o planejamento ficam de lado e para um segundo plano, e acaba dificultando todo o desenvolvimento da organização.

A sua principal característica deve ser a de visionário para metas e objetivos com alternativas de mudanças a longo prazo, permitindo dessa forma a análise de possíveis desdobramentos. Desprezar as técnicas administrativas como alavanca para o sucesso pode vir a ser o maior erro do empreendedor!

Todo negócio passa por várias fases de crescimento, por exemplo temos a infância, a adolescência e a maturidade, dependendo das características do empreendedor e dos conhecimentos administrativos disponíveis. Delegar responsabilidades evita a excessiva centralização e melhora a saúde das pessoas envolvidas na direção.  

Trabalhe pela empresa, não na empresa, e pergunte-se:

– Como fazer a minha empresa funcionar sem que eu esteja lá?

– Como fazer meu pessoal trabalhar sem que eu interfira constantemente?

Sua empresa deve existir para lhe enriquecer a vida, e não para drenar a sua vitalidade.

Tenha persuasão e torne-se um empreendedor de sucesso!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *